As 5 novas regras de engajamento no Facebook

Por Mercado E-Commerce | 27 de junho de 2014

POR MATT WURST, vice-presidente da agência digital 360i
Para o Advertising Age

No simples ato de atualizar um algoritmo, o Facebook transformou o modo como marcas e agências planejam estratégias na mídia social.

A nova realidade do Facebook exige mudanças radicais, incluindo orçamento para mídia paga e um preparo para o tempo certo, em vez do tempo real. Em suma, a plataforma mostrou que agilidade e flexibilidade são essenciais para o futuro do nosso mercado, e as marcas precisam estar preparadas para movimentos rápidos, organizações inteligentes e receptivas e mudanças e evoluções.

A verdade é que não podemos abandonar o Facebook agora. A social media finalmente está atingindo a massa, e a rede de Mark Zuckerberg posicionou-se como o canal mais eficiente para alcançar consumidores com marketing social e mobile – ainda mais agora que a plataforma é capaz de segmentar conteúdo por demográficos, geografia e grupos de interesse.

Portanto, fique atento às novas regras de engajamento no Facebook:

1. Conheça seu target: as pessoas ainda importam, não os fãs
Era uma vez quando conseguir 1 milhão de fãs no Facebook era o objetivo de toda marca. Mas, isso mudou quando os anunciantes perceberam que a qualidade é mais importante do que a quantidade.

Por isso, ainda é válida a regra de entregar experiências relevantes para o público. Porém, conheça sua audiência e saiba o que é inspirador para ela. Saber o que motiva as pessoas resulta em melhores experiências e em investimentos mais inteligentes na amplificação da mídia paga.

2. Planeje junto nolvadex reviews buy Antabuse
No atual cenário, as marcas não conseguem ter sucesso no Facebook se não integrarem posts pagos e estratégia de conteúdo. Essa segunda regra de engajamento guia os anunciantes para o melhor conteúdo e também ajuda a maximizar o uso da segmentação avançada oferecida pela rede social.

Não é necessário ignorar os posts orgânicos, pelo contrário: use-os para testar a criatividade e ampliar o que funciona para uma audiência maior e estrategicamente segmentada.

3. Adapte: dê um upgrade no conteúdo social
A terceira regra de engajamento é que a qualidade do conteúdo ainda é o melhor jeito de atrair views, cliques e compartilhamentos. É cada vez mais importante que as marcas utilizem dados e inteligência para investir em experiências criativas e de qualidade.

Para entregar um conteúdo melhor, é preciso integrar criativos habilidosos e mídia paga na prática de gerenciamento da comunidade.

4. Construa uma aliança: acione influenciadores
A quarta regra é que ainda existe poder na mídia orgânica, e ela pode ser canalizada por meio de influenciadores. Eles são vitais para ganhar atenção e construir audiência. E podem vir em várias formas, de jornalistas e blogueiros a criadores de conteúdo. Ter uma lista de aliados para sua marca pode significar muito para sua marca, além de contribuir com a co-criação e distribuição de conteúdo.

acquire Lasix 5. Atualize o modelo do mix de mídia
As marcas não podem mais investir em uma estratégia de social marketing sem considerar uma estratégia que a espelhe. Entender o valor do comentário e do compartilhamento, e não só dos cliques, gera um ROI muito mais significativo. E isso leva a última regra de engajamento: o mix certo de mídia vai depender de fatores chave.

Considerar o papel e o valor da mídia não-paga nesse mix de marketing será fundamental para avançar no mercado e mover o universo dos anunciantes.

O Facebook mudou e não podemos voltar atrás. Mas essa é uma oportunidade e chance para inovar nossa abordagem em social marketing. Esse novo cenário é repleto de oportunidades e estratégicas criativas para anunciantes. Com essas regras, qualquer marca pode voltar à arena para lutar pela atenção do consumidor.

 

Fonte: Proxxima

 

 

Comentários

Comentários

Tags: , , , , ,

Categorias: Notícias

Leia Também

Mídias Sociais, como utilizá-las como canal de relacionamento e atendimento?
Você conhece as 46 empresas iniciantes que valem mais de US$ 1 bilhão?
10 inovações que mudaram o mercado nos últimos anos