Dia das mães deve movimentar R$ 1,16 bilhão em vendas online neste ano

Por Mercado E-Commerce | 9 de maio de 2014

Enquanto os lojistas esperam um Dia das Mães com consumidores cautelosos, os empresários do comércio eletrônico estão mais otimistas. Assim como as lojas físicas, o e-commerce sofrerá com a alta inflação, que está diminuindo o poder de compra dos clientes. Entretanto, os empresários que vendem on-line apostam na adesão cada vez maior às compras pela internet e em estratégias para atrair os clientes, como promoções, produtos inéditos e facilidades de compra.

De acordo com a E-bit, empresa especializada em informações do comércio eletrônico, a data deve movimentar R$ 1,16 bilhão para o setor em 2014, número que representa um crescimento 15%, em relação ao mesmo período do ano passado. A expectativa é muito mais otimista que nas lojas físicas, que devem registrar queda no volume de vendas e faturamento, segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Bruno Falci.

Os produtos relacionados à moda e a acessórios serão os mais procurada pelos filhos internautas, segundo a pesquisa. Em seguida, vêm as categorias eletrodomésticos; cosméticos e perfumaria; saúde e cuidados pessoais; telefonia e informática. Para o diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti, entre os motivos para os consumidores optarem pela compra on-line está a possibilidade de encontrar preços mais baixos. “Muitas pessoas aproveitaram os descontos para antecipar suas compras, especialmente de mercadorias mais caras, como televisores”, diz.

Na loja on-line da grife mineira Vitor Dzenk (www.victordzenk.com), a expetativa é de crescimento de 15% na primeira semana de maio, em relação ao mesmo período no último mês. A gestora do e-commerce, Carla Puntel, explica que os dois últimos feriados atrapalharam um pouco as compras, mas ela acredita que isso deve ser recuperado nos dias que antecedem o domingo do Dia das Mães. “As pessoas se endividaram com viagens nos feriados emendados e isso atrasou as compras, mas agora, nos primeiros dias de maio, já estamos sentindo um crescimento”, diz.

Com 13 anos de vida, a marca tem uma fábrica em Lagoa Santa, na região Metropolitana de Belo Horizonte, e um showroom no bairro Gutierrez, na região Oeste. A loja virtual foi lançada em setembro do ano passado e tem tido sucesso, crescendo 5% ao mês. A grife vende roupas femininas, masculinas e acessórios, além de peças para casa. De acordo com a gestora, os produtos mais vendidos no Dia das Mães são bolsas, que podem custar entre R$ 60 e R$ 300, e vestidos casuais, cujos preços variam entre R$ 100 e R$ 500. O tíquete médio dos consumidores da marca é de R$ 350.

Estratégias – Carla Puntel destaca que a empresa está apostando muito no e-commerce e espera que as vendas cresçam até 120% até o fim deste ano. Para isso, a direção está investindo em estratégias de posicionamento da loja on-line em sites de busca, além de promoções. “O público do comércio on-line está sempre procurando um desconto, um frete grátis ou brinde. Para o Dia das Mães estamos oferecendo um par de sousplat com estampa exclusiva para clientes que comprarem acima de R$ 300”, diz.

Ela acredita que a venda on-line é uma tendência e terá representatividade igual ou superior às das lojas físicas. “As pessoas estão optando cada vez mais pelo e-commerce por causa de sua rotina atribulada. Além disso, o contato com o mundo virtual é muito maior hoje e a maioria das pessoas já quebrou as barreiras de insegurança da compra pela internet”, avalia.

 

Fonte: Diário do Comércio

Comentários

Comentários

Tags: , ,

Categorias: Notícias

Leia Também

Casino e Pão de Açúcar planejam combinar comércio virtual
Amazon está proibida de usar drones para entregas
Eu não tenho tempo!
Curso de E-Commerce em Belo Horizonte: Como Abrir uma Loja Virtual de Sucesso