Para “superpoderosas”, inovação é a chave do sucesso

Em evento realizado em São Paulo, Luiza Helena Trajano, Sofia Esteves e Bel Pesce destacaram o papel da inovação no êxito corporativo e pessoal

Por Mercado E-Commerce | 2 de junho de 2014

“Quem tem o poder é quem tem conhecimento”, disse Luiza Helena Trajano, dona do Magazine Luiza, no Lide Futuro, evento de liderança realizado no dia 29/05, em São Paulo, para uma plateia de mais de 400 executivos de diversos setores. O encontro foi organizado por João Doria Jr., presidente do Grupo Doria, e contou também com a presença de Sofia Esteves, fundadora do grupo DMRH, e Bel Pesce, fundadora da escola de empreendedorismo FazINOVA.

acquire lioresal mercado-ecommerce-superpoderosas-empreendedoras cheap Antabuse

Mais do que dar dicas de liderança, as três convidadas motivaram os participantes a ter atitude ao apostar na inovação. “Pessoas e inovação sempre foram meu foco”, contou Luiza aos presentes. “Montamos uma loja física, porém eletrônica, em 1992. O estabelecimento não tinha produtos. Tudo o que vendíamos era exibido em televisores”, explicou a executiva sobre a sua primeira iniciativa “virtual”. “Dizíamos que aquela era a loja dos anos 2.000. Oferecíamos cursos gratuitos no local e assim podíamos ensinar às pessoas como comprar”, contou a presidente do grupo, que faturou 20,5 milhões de reais no primeiro trimestre de 2014.

A executiva ressaltou o quão importante é ousar nos negócios e brincou: “Quando você está inovando, o melhor é nem contar para as pessoas. Elas sempre apostam que vai dar errado”. Luiza relembrou passagens de sua trajetória à frente do grupo e afirmou que até mesmo a sua tia, Luiza Trajano Donato, a fundadora da companhia, duvidou que a sua ideia de criar promoções e abrir lojas de madrugada no mês de janeiro, quando as vendas eram as piores do ano, seria realmente efetiva. Logo reconsiderou e até sugeriu que funcionários entrassem na fila, vestidos de clientes, para aumentar a buzz da iniciativa. Deu certo e o mês passou a ser o terceiro em termos de vendas. “Hoje não existe uma loja que não faça liquidação no início do ano”, disse à plateia.

A fala de Luiza vai ao encontro da história de Sofia Esteves, fundadora do grupo DMRH. Filha de imigrantes europeus, teve uma infância humilde e seu primeiro grande desafio foi pagar a faculdade. Ao se graduar em psicologia, decidiu buscar trabalho, mesmo sem nunca ter atuado na área. Na primeira entrevista, para ofuscar a falta de experiência, destacou o seu talento. Conseguiu trabalho em uma consultoria de recursos humanos, onde sua função era enviar currículos, via Correios, para seus clientes. Achou que o método não era funcional e então pegava um ônibus e ia até as empresas entregar os documentos pessoalmente para ressaltar as qualidades dos candidatos escolhidos para a posição.

“Um dia uma pessoa com cargo de presidente me procurou e me deu um mês para recolocá-lo no mercado”, contou a empresária. “Ele me disse que se não conseguisse cumprir o prazo ele iria morar com a esposa no Canadá”, continuou. Apesar da pouca experiência, Sofia se dedicou ao caso e poucos dias depois o candidato recebeu quatro propostas de trabalho. “Um dia ele foi ao escritório para me agradecer e contou que, na verdade, não iria para o Canadá, mas iria se suicidar se não encontrasse emprego”, lembrou emocionada. Daí em diante a carreira de Sofia não parou de crescer. Trocou de consultoria, mas discutiu com o dono da empresa, que lhe pediu para fazer algo que era contra a sua ética profissional. Com base no ditado “os incomodados que se mudem”, desistiu da vaga e, no impulso, montou a sua própria empresa. O começo foi difícil, mas inovando na área de recursos humanos, ao valorizar o contato pessoal, não demorou para que sua companhia decolasse. “Eu era muito jovem e um dia um cliente perguntou onde estava meu chefe. Disparei: é comigo que o senhor está negociando e fico feliz que não encare a pouca idade como o sinal de incompetência”, disse. Depois de um sorriso amarelo, o cliente fechou negócio com a jovem executiva.

A pouca idade que causou desconfiança no caso de Sofia também motivou a empreendedora Bel Pesce a seguir seus instintos e tentar uma vaga no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, uma das universidades mais renomadas do mundo. Depois da epopéia para encontrar em São Paulo o responsável pelo processo de seleção da instituição, Bel precisou buscar a solução de um problema nem sempre fácil de resolver: a falta de dinheiro. Ela passou no MIT, mas não tinha como pagar a faculdade. Fez bicos às vésperas de partir para os Estados Unidos e conseguiu juntar o suficiente para um semestre na universidade. Para continuar, no entanto, ela teria que conseguir bolsas de estudo. Tudo deu certo para Bel e em pouco tempo ela já estava familiarizada com o estilo de vida do MIT, onde os estudantes têm a oportunidade de fazer cursos diferentes, mas complementares. Lá ela fez de tudo: de aula de dança moderna até japonês. Foi no Vale do Silício, contudo, que a vida da jovem brasileira mudou mais uma vez.

“No Vale do Silício a concorrência é muito grande, mas também há muita colaboração”, disse a empreendedora. Para fazer parte daquele universo, abriu mão de um mestrado no MIT e de estágios em grandes companhias, como Microsoft e Google. Trabalhou em startups e cofundou a Lemon, um aplicativo de carteira virtual através do qual os usuários escaneiam cupons fiscais. “Foi nesse período que decidi escrever um livro com o que tinha aprendido até aquele momento”, contou. Assim nasceu A Menina do Vale, baixado mais de dois milhões de vezes e com venda, na versão impressa, de cerca de 30 000 exemplares. A repercussão em torno do livro trouxe a brasileira de volta ao seu país. “Fazia vídeos quando ainda estava nos Estados Unidos e muita gente acompanhava no YouTube. Voltei para o Brasil e montei o FazINOVA, uma escola diferente que ensina às pessoas como inovar e outras coisas que considero importantes”, explicou. Talento e um bom marketing pessoal é o que não falta para Bel, listada como um dos 30 jovens mais promissres do país pela revista Forbes.

A lição deixada pelas três mulheres de diferentes gerações para a plateia do evento é a importância da coragem no processo de inovação. Os resultados, garantem elas, vão além da estabilidade financeira. “Depois de uma certa quantia de dinheiro, a vida da gente já não muda muito. E foi por isso que minha tia não se desfez da loja”, disse Luiza sobre a paixão da família em vender e a importância da satisfação pessoal nos negócios. Autora do prefácio do livro Faça Acontecer, de outra superpoderosa, Sheryl Sandberg, chefe de operações do Facebook, Luiza não escondeu o entusiasmo em testemunhar o crescimento no número de mulheres empreendedoras no país: “Essa é a solução do Brasil”, disse empolgada a dona do Magazine Luiza.

 

Fonte: Veja dopoxetine reviews

 

Comentários

Comentários

Tags: , , ,

Categorias: Notícias

Leia Também

Especialista em e-commerce e marketing digital ministra palestra na ACMinas
Gigante do comércio eletrônico na China abrirá capital na bolsa dos EUA
Pesquisa mostra que empreendedores digitais investem mais em marketing em 2014
Atendimento ao consumidor em e-commerce. Não cometa esses 5 erros.