A tentativa de reinvenção dos Correios

Por Mercado E-Commerce | 26 de maio de 2014

A mudança da logo dos Correios, revelada no início deste mês, é mais do que uma ação de marketing isolada: sinaliza uma estratégia de revitalização que começou a ser desenhada três anos atrás, depois que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos se viu abalada por escândalos políticos, como o do Mensalão, e sofreu com o avanço de concorrentes privados, que aproveitaram para ganhar mercado no vácuo das ineficiências do gigante público.

Para viabilizar o projeto de reinvenção, que inclui a diversificação de suas receitas, o volume de investimentos da instituição cresceu: foi de R$ 404 milhões, em 2012, e deve ficar em R$ 600 milhões neste ano – dinheiro que, segundo o presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, vem de aplicações financeiras da empresa, e não do caixa do governo federal, seu controlador.

Esses recursos, porém, terão de dar conta de uma longa lista de projetos, inclusive alguns não relacionados com sua atividade principal, como a ampliação do Banco Postal e a criação de uma operadora de telefonia celular própria. No setor de entregas, a companhia pretende construir 14 centros de triagem de pacotes e reformar outros seis nos próximos anos, além de melhorar seu sistema de acompanhamento de cargas. Tudo isso com a meta de atender melhor às empresas de e-commerce.

A aposta nesse nicho tem razão de ser: as vendas pela internet cresceram 28% em 2013, movimentando R$ 28,8 bilhões. O serviço de postagem, monopólio dos Correios, avança num ritmo muito menor, de 7%.

Domínio. O presidente dos Correios estima que a participação da instituição no e-commerce – responsável por 90 milhões de entregas em 2013 – esteja próxima a 40%. Esse domínio é justificado pela presença nacional da empresa, que tem obrigação de atender a todo o País. Por isso, as companhias que vendem para regiões distantes dos grandes centros dependem, em alguma medida, da estatal.

O setor privado é mais agressivo em cidades como Rio e São Paulo. “Isso acontece porque o custo dos Correios para CEPs próximos é relativamente caro”, diz Caio Vaz, membro da diretoria de logística da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm). “Para distâncias curtas, empresas maiores preferem contratar parceiros especializados e regionais.”

É a escolha que faz o empresário Vanoil Pereira, fundador do e-commerce de moda Passarela.com, que vendeu R$ 500 milhões em 2013. Ele envia a maior parte de suas cargas pelos Correios, mas usa serviços privados para uma opção de entrega em 12 horas, disponível para mercados como a capital paulista.

Além da vantagem regional, as empresas privadas se aproveitaram até agora de uma outra brecha deixada pela estatal: a demora em adotar inovações tecnológicas em sua cadeia. A confirmação de entregas em tempo real, por exemplo, já é adotada há quase quatro anos por empresas como a Direct Log. Só no fim deste ano, os Correios terão esse serviço 100% implementado. “Há uma demanda por bons serviços de rastreamento, e os Correios demoraram para reagir”, diz Pedro Guasti, diretor da E-bit, empresa que reúne informações sobre e-commerce.

A promessa de um serviço mais ágil tem feito alguns grandes varejistas apostarem em uma parceria com a empresa pública. É o caso de companhias como o Mercado Livre e o eBay.

“A decisão sobre o frete é feita por nossos compradores e vendedores, e os Correios oferecem um preço bem competitivo”, diz Luis Arjona, responsável pela operação do eBay no País, que tem 90% dos pacotes entregues pelos Correios.

Ainda que a tecnologia chegue ao nível da concorrência, Pedro Guasti diz que um fantasma continuará rondando a empresa pública (e seus clientes): as greves. “Quando a entrega é paralisada, o que acontece pelo menos uma vez no ano, as empresas recebem uma enxurrada de reclamações.”

 

lioresal online dopoxetine online Fonte: O Estado de S.Paulo – Fernando Scheller / Colaborou Naiana Oscar acquire Lasix

 

Comentários

Comentários

Tags: , , , ,

Categorias: Notícias

Leia Também

Como aumentar a taxa de conversão do seu e-commerce usando o Google Analytics?
Fórum do Empreendedor Digital apresenta conteúdo exclusivo para lojistas online no VTEX DAY 2017
As lições de competição extrema de Jeff Bezos na Amazon
Ser fitness está em alta! Veja como o segmento tem se tornado um bom negócio